Cozinha da Pintura: Têmpera Ovo

Acredite se quiser, tem muito ovo nessa pintura.
Acredite se quiser, tem muito ovo nessa pintura.

Usada desde a Antiguidade por egípcios, gregos e romanos, e aperfeiçoada durante a Idade Média, a têmpera ovo é uma técnica muito boa para a sala de aula. Ela foi largamente utilizada pelos famosos pintores italianos do século XIV, principalmente em afrescos e placas de madeira preparados com nata de cal ou gesso cré (hoje em dia tinta látex branca é um bom substituto). A desvantagem da secagem rápida é que a gradação de tons é mais difícil, e por isso depois do século XV a têmpera ovo foi cada vez mais sendo substituída pela pintura a óleo nos grandes ateliês.

A têmpera é obtida através da mistura de um corante ou pigmento a um aglutinante ou medium, no caso o ovo, diluído em água. Esta têmpera seca rápido e, depois de seca, apresenta um brilho característico e é muito resistente, pois dificilmente racha com o tempo e as cores não mudam muito. É  muito fácil de fazer e utilizar mesmo para crianças, embora seja mais indicado seu uso em turmas do Fundamental II em diante, caso se deseje que os alunos a manipulem com pouca ajuda.

Como suporte pode-se usar papéis de grande gramatura, como o Montval, ou ainda uma prancheta de mdf ou uma tela tradicional.  Como já mencionado, o suporte em madeira ou tela precisa ser preparado previamente com uma base branca (pode ser gesso cré, nata de cal ou tinta látex – gesso acrílico não permite aderência da têmpera, fuja dele). O pincel precisa ser macio e idealmente pequeno, pois esta técnica da têmpera privilegia pinceladas finas e pequenas.

O melhor tipo de pigmento para esta tinta é o em pó, seco. Pó “xadrez” funciona muito bem na sala de aula, por ser atóxico e acessível. Em caso de crianças pequenas, é possível usar anilina comestível, notando que a textura ficará significativamente mais líquida e o resultado será mais aquarelado.

Receitas de têmpera ovo:

1. Gema

1 parte de gema de ovo sem pele
1 parte de água
3 gotas de algum conservante: óleo de cravo, vinagre ou própolis (também pode usar água sanitária, caso não esteja fazendo com crianças).

Misturar todos os ingredientes acima em um copo, prato ou pote, e adicionar o pigmento aos poucos, checando a consistência e a cor. Note que a gema alterará a cor da tinta um pouco – por exemplo, para obter verde é possível usar pigmento azul com a gema. Para checar a cor e a consistência, use um papel rascunho e pincele sobre ele durante a feitura da tinta.

2. Clara

1 clara de ovo
3 gotas de óleo de cravo, vinagre ou própolis (conservantes, pra tinta não estragar)

Bater a clara em neve, colocar na geladeira num recipiente com tampa e aguardar algumas horas. O pigmento deve ser misturado com o soro resultante da decantação da clara e com o conservante. Esta tinta fica mais aveludada e aquarelada, boa para pintar papel.

Traga obras de pintores como Sandro Botticelli e Raffaello Sanzio para a turma, e surpreenda os alunos usando a frase que eu coloquei n’O Nascimento de Vênus de Botticelli ali em cima: tem muito ovo nessa pintura. Acredite se quiser.

Boa aula😀

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s